Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXV

Universidade Seis universidades portuguesas entre as melhores do mundo

15-08-2022

Seis universidades portuguesas foram incluídas entre as mil melhores do mundo no Ranking de Xangai, publicado dia 15 de agosto, com Harvard a aparecer no topo da lista, dominada pelos Estados Unidos.

A Universidade de Lisboa e Universidade do Porto surgem entre as 201.ª e 300.ª melhores do mundo.

Seguem-se a Universidade de Aveiro e Universidade do Minho, entre as 400 e 500 melhores, e a Universidade Nova de Lisboa e a Universidade de Coimbra entre os 500.º e 600.º lugares.

Com Harvard em primeiro lugar pelo 20.º ano consecutivo, as universidades norte-americanas continuam no topo do ‘ranking’.

Tal como no ano passado, as instituições anglo-saxónicas continuam entre as dez melhores: oito universidades norte-americanas e duas britânicas estão no topo da edição de 2022 deste ranking global das melhores instituições de ensino superior, que tem sido levado a cabo desde 2003 pela empresa independente Shanghai Ranking Consultancy.

No topo da lista, Harvard está mais uma vez à frente da também norte-americana Stanford. Este ano, outra universidade norte-americana, o Massachusetts Institute of Technology (MIT), ficou em terceiro lugar no pódio, relegando a britânica Cambridge para quarto lugar.

Seguem-se as universidades norte-americanas Berkeley (5.ª) e Princeton (6.ª) e a britânica Oxford (7.ª).

No total, 39 universidades norte-americanas aparecem entre as 100 melhores.

A primeira instituição não anglo-saxónica, a universidade francesa Paris-Saclay, está em 16.º lugar.

O Ranking de Xangai tem em conta seis critérios, incluindo o número de medalhas Nobel e Fields - o Nobel da Matemática - entre estudantes e professores de pós-graduação, o número de investigadores mais citados na sua especialidade e o número de publicações nas revistas Science and Nature.

Este ano, mais de 2.500 instituições foram examinadas para estabelecer a classificação.

Lusa
Freepik
 
Voltar