Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXII

O professor e o poder da varinha mágica

Ser professor acarreta uma profunda carga de utopia e de imaginário. Com o lento passar do tempo e da memória colectiva, gerações após gerações ajudaram a elaborar a imagem social de uma profissão de dádiva absoluta e incontestável entrega.

Novas regras para o acesso ao superior?

O Conselho Nacional de Educação acaba de enviar à tutela um conjunto de recomendações sobre “o acesso ao ensino superior e a articulação com o ensino secundário”. Na sua proposta sugere “a redução do peso dos exames nacionais no processo de seleção e seriação dos candidatos".

A importância de dar voz aos Estudantes

O papel das Associações Académicas e Estudantes no Ensino Superior tem alterado como tudo o que nos rodeia. Com uma velocidade cada vez maior, o meio que nos envolve transforma-se a um ritmo alucinante, fazendo-nos repensar os desafios, mas também as oportunidades.

Se equivoca, Sr. Castells

Manuel Castells es un brillante sociólogo, hijo directo y expresión viva de la generación de mayo francés del 68, de larga andadura en universidades de California, además de otras europeas, respetado y reconocido internacionalmente, autor de libros de ensayo y sociología política que son auténticos best seller, algunos considerados imprescindibles para comprender el mundo en el siglo XXI, como el titulado “La era de la información, 3 vols.”

Teletrabalho: fábulas e rábulas

A utilização do teletrabalho foi potenciada pela pandemia para remediar algumas consequências do confinamento. A decisão assumida de o aplicar em atividades públicas e privadas compreende-se na medida em que o trabalhador confinado pode, em certos casos, desempenhar tarefas que não exigem a sua presença física. Contudo, é preciso reconhecer que esta fase da “transição para o digital” nem sempre decorre da melhor forma.

Aprender y enseñar en la era digital - Valoración pedagógica del Mobile Learning

Si en general hay que aceptar que no existen criterios absolutos para una correcta evaluación del aprendizaje, la evaluación del aprendizaje móvil se torna en una difícil tarea. Para nosotros, la plusvalía del aprendizaje móvil, reside en su alto nivel de movilidad e integración y porque, como afirman Vázquez y Sevillano “propicia que el estudiante progrese de forma autónoma, con una participación más activa y con menor esfuerzo intelectual que en un entorno de aprendizaje tradicional”. Aparte de eso, es más accesible a innovaciones de diverso tipo, especialmente al aprendizaje basado en la investigación.

Aprender y enseñar en la era digital - La usabilidad de los dispositivos móviles en la enseñanza

Hemos venido hablando de la utilidad de los dispositivos móviles en educación. Y nos queda aportar algo sobre un tema determinante para la utilidad de los mismos que es su usabilidad: la facilidad de su manejo por docentes y estudiantes. Los productores de los medios tecnológicos que se puedan utilizar en la escuela pueden producir software e interfaces de usuario con mayor o menor facilidad de uso. Incluso más confiables y que produzcan mejores experiencias en los usuarios.

A lição definitiva

Quando o amor era mais íntimo; quando nenhum ruído levantava as pálpebras dos que dormiam – de súbito, despontou naquela noite uma estrela de luz ofuscante. Os pastores acordaram sobressaltados, os animais atiraram à beleza da noite mugidos, grunhidos, relinchos de susto. Aos guerreiros, magistrados, arúspices, sibilas, às figuras gradas do Império Romano, ao próprio Octávio César Augusto passara despercebido este espanto.

A crise da esperança

Adormecer as grandes questões à força de hipersensibilidades clubísticas, patologicamente (com muito economicismo à mistura) ampliadas na Comunicação Social – eis aí o rápido panorama do ambiente em que o nosso futebol, muitas vezes, se movimenta. Os problemas desportivos do país são, sem dúvida, desportivos mas condicionados, no chão da realidade, pelo estofo moral dos seus agentes.

La Universidad, ¿Comunidad de aprendizaje?

Desde hace algo más de tres décadas va extendiéndose por el espacio educativo de buena parte del mundo un movimiento pedagógico que se conoce como las “Comunidades de Aprendizaje”. Ramón Flecha fue uno de sus incipientes líderes y su estela ha sido seguida por muchos más en diferentes países. Con esa denominación se reconocen e identifican cientos de experiencias desarrolladas en centros escolares, principalmente de primaria, es cierto, cuyos agentes educativos (profesores, niños, padres, autoridades municipales, movimientos de innovación pedagógica de la localidad o el entorno) llevan a cabo una gestión compartida, asamblearia y democrática de los asuntos que afectan al centro escolar.

Nada se perde, tudo se informa

Esta edição do Ensino Magazine marca uma viragem naquilo que é a relação com os nossos leitores. Fomos, há 22 anos atrás, uma das primeiras publicações a possuir uma página de internet. Criámos, há cerca de uma década, um portal que foi sendo adaptado às exigências dos novos tempos. Arrancamos agora para uma nova plataforma na internet, no mesmo endereço de sempre (www.ensino.eu).

E há violência na escola?

Não vale a pena fingir. Sempre houve bullying na escola! Todos guardamos memória disso. Na escola e no emprego, na família e no desporto, nos quartéis e nas igrejas, nos partidos e, até, nos mais insuspeitos grupos de amigos… Sempre o houve, onde e quando se agregaram pessoas e se formaram grupos onde coexistem fortes e fracos, chefes e chefiados, agressores e vitimados, ou seja, sempre e quando se desenvolveram relações de desigualdade na partilha do poder.