Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXIII

‘A matriz de risco não deve ser ignorada’

Óscar Felgueiras, um dos especialistas convidados para aconselhar o governo sobre o plano de desconfinamento, acredita que a entrada na terceira fase constituirá um «capítulo chave para a evolução da pandemia.» O professor salienta ainda o papel da matemática em fornecer informação «útil, tratada e modelada» para que os políticos possam tomar decisões.

Portugal é um dos destinos mais atraentes para startups

Aproximar ainda mais a ligação entre universidades e empresas e reforçar o apoio à ciência e à inovação é a receita de Manuel Caldeira Cabral para corresponder aos anseios da geração mais qualificada de sempre. O ex-ministro defende também um reforço dos gabinetes de transferência de tecnologia nas universidades.

‘Os globocratas têm em marcha um plano para tomar conta do mundo’

Segundo a tese da escritora espanhola, por detrás de uma crise sanitária, a pandemia do coronavírus, estão motivações económicas e políticas de uma elite, que tem como rostos visíveis Mark Zuckerberg e Bill Gates.

‘O grande desafio é tornar cada aula um tempo fascinante de educação’

É reconhecido como um dos maiores especialistas e pensadores sobre o sistema educativo português. Nesta entrevista, Joaquim Azevedo defende que ultrapassada a pandemia, a escola e o modelo de ensino regressarão, do ponto de vista estrutural, ao que eram antes e elege a questão dos professores como central para o futuro do setor.

Tribunal constitucional deverá chumbar a Lei da eutanásia

Uma «péssima comunicação», a «feira de vaidades» de alguns responsáveis e a «arrogância» demonstrada sobre os critérios de vacinação, são os pecados que o médico e professor catedrático da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, Miguel Oliveira da Silva aponta às autoridades políticas e de saúde na gestão da pandemia.

‘A pandemia poderá ser um catalisador de novas ações e ideias’

Tiago Rodrigues, um dos nomes mais respeitados do atual meio artístico e cultural português, acredita que, passada a pandemia, o público regressará em força às salas de espetáculos e uma “explosão criativa” fará parte da transformação a que se assistirá na próxima década. O ator e encenador defende que o futuro das sociedades está na mão das gerações mais novas e que lhes deve ser dado mais poder, mais espaço e mais voz.

«As mutações do vírus podem tornar mais difícil a imunidade de grupo»

O professor da NOVA Medical School acredita que o surgimento das novas estirpes pode atrasar o objetivo de ter, pelo menos, 60 a 70 por cento da população imunizada. Paulo Paixão admite que o fecho das escolas, entre 15 dias a um mês, fará a diferença no esforço coletivo para reduzir o número de casos.

‘A educação e a ciência deviam ser prioridades nacionais’

Exemplo de como saber envelhecer, quase a completar 90 primaveras, Galopim de Carvalho defende que um país que não cuida suficientemente da educação e formação deve temer pelo seu futuro. Conhecido por muitos como «o avô dos dinossauros», o professor acrescenta que é preciso rever toda a política dos manuais de ensino.

Pensar o hospital como uma fábrica é um erro

É na tripla qualidade de profissional de saúde, professor e político que perspetiva o passado, o presente e o futuro do pressionado SNS. Ricardo Baptista Leite aponta soluções terapêuticas para inverter o rumo de um sistema que, alerta, corre o risco de se tornar para pobres.

«É preciso uma reforma profunda dos políticos em Portugal»

Desassombrado e sem papas na língua, Tiago Caiado Guerreiro acusa os políticos de só olharem para os seus interesses instalados e de pouco contribuírem para o desenvolvimento de setores como a Educação. O fiscalista, crítico feroz da forma como a Autoridade Tributária trata os contribuintes, declara que “a administração fiscal é o braço armado do poder político”.

‘Trump não respeita a democracia’

Biden tomará posse a 20 de janeiro, mas não terá um mandato fácil. O comentador Germano Almeida afirma que Trump não morreu politicamente e que continuará a «morder os calcanhares» ao novo inquilino da Casa Branca.

‘As competências digitais são fundamentais’

O líder da maior associação empresarial do país diz que os apoios do governo são «claramente insuficientes» e defende o retorno ao layoff simplificado e a redução do IRC. Luís Miguel Ribeiro considera ainda que, acelerada pela pandemia, a modernização e adaptação ao paradigma digital é um desafio que as empresas não podem falhar.

‘Esta crise combate-se com a manutenção do emprego e salvando empresas’

No ano em que a profissão comemora 25 anos de regulamentação, a bastonária da Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC) defende que se não fosse o trabalho destes profissionais os apoios ainda estariam por chegar a muitas empresas. Paula Franco refere que o governo deve ir mais longe nas ajudas financeiras à economia, nomeadamente a fundo perdido, justificando que a esmagadora maioria das empresas não tem margem para se endividar.

Se nada se fizer, as pandemias vão ser mais frequentes e severas

Tarde ou cedo, o mundo vai voltar a sofrer na pele outras pandemias e as responsabilidades devem ser partilhadas por políticos e cidadãos. Para Tiago Correia, investigador do Instituto de Higiene e Medicina Tropical, caso exista vacina até final do ano é possível que na primavera de 2021 a situação possa ficar «relativamente regularizada», nomeadamente nas pessoas mais vulneráveis.

Um novo vírus pandémico expande-se mais depressa que o nosso conhecimento sobre ele

Poucos sabem de saúde pública como ele. Constantino Sakellarides perspetiva o que foi feito no combate à pandemia até ao momento e identifica os três «polos» fundamentais para uma gestão eficaz da transmissão da Covid-19.

É preciso inovar nas ideias para ganhar o jogo a este vírus

Das origens na Covilhã, passando pelo curso no Politécnico de Castelo Branco, sem esquecer as experiências como treinador em diversos clubes da Beira Baixa. Um caminho descrito, na primeira pessoa, por Joel Rocha até chegar à sua «cadeira de prazer e de paixão», onde está há seis anos, como treinador de futsal do Benfica.