Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXIII

João Nabais Ministra da Saúde escolhe professor da Universidade de Évora para Comissão de Ética 16-02-2021

O professor do Departamento de Química da Universidade de Évora (UÉ), João Nabais, foi designado pela Ministra da Saúde Marta Temido como membro da Comissão de Ética para a Investigação Clínica (CEIC). O anúncio foi feito ao Ensino Magazine pela própria Universidade.

Citado na nota enviada à nossa redação, o docente diz ser "uma honra e um privilégio integrar a Comissão de Ética para a Investigação Clínica, composta por um conjunto de personalidades de diversas áreas do conhecimento, e para a qual espero contribuir com a minha visão sobre os ensaios clínicos em análise, em particular na defesa dos interesses dos doentes”.

João Manuel Valente Nabais, Doutorado em Química pela Universidade de Évora é membro integrado do Comprehensive Health Research Center. Desde 2016 é membro do Patients’ and Consumers’ Working Party da Agência Europeia do Medicamento e desde 2019 vice-presidente da Federação Internacional da Diabetes. Foi presidente da Comissão de Ética para a Saúde da Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal.

O despacho de designação, esclarece que "a investigação científica, particularmente de índole clínica, contribui de forma estratégica para a melhoria da saúde das populações e para o desempenho das unidades de saúde”.

No entender de João Nabais, o papel da Comissão de Ética é “de extrema importância por todas as competências a ela atribuídas pela Lei da Investigação Clínica, em particular a emissão de parecer sobre a realização dos ensaios clínicos em Portugal assegurando a proteção dos direitos, da segurança e do bem-estar dos participantes nos ensaios”.

No entender do investigador, e segundo a mesma nota da UÉ, "a investigação de índole clínica permite a melhoria dos cuidados de saúde e da qualidade de vida das pessoas sendo de primordial importância salvaguardar os aspetos éticos da investigação assegurando que os participantes não são expostos a riscos desnecessários para atingir os objetivos do estudo”.

O docente acrescenta que "os resultados da investigação clínica vão ser extensivos para toda a população sendo crucial que os ensaios clínicos sejam desenvolvidos de forma a garantir a obtenção de dados de qualidade com uma avaliação dos benefícios e riscos favorável”.

De referir que a CEIC é constituída por um conjunto de personalidades nas áreas da bioética, da genética, medicina, das ciências farmacêuticas, da farmacologia clínica, da enfermagem, da bioestatística, bem como nas áreas jurídica e teológica e outras que garantam os valores culturais da comunidade. Prevê ainda participação de doentes.

 

 
Voltar