Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXIII

Transferência de conhecimento Minho lidera em Portugal

22-09-2021

A Universidade do Minho é a instituição que tem o maior número de laços com centros tecnológicos e interfaces em Portugal. A confirmação é do estudo ‘Redes e Dinâmicas de Transferência de Conhecimento em Portugal’, da Agência Nacional de Inovação (ANI), no qual a UMinho surge com 118 laços ou “medidas de centralidade”, seguinda das universidades de Coimbra (104), Aveiro (95) e Porto (82).

A “medida de centralidade” representa o grau de controlo de um ator sobre a rede, pois por ele passam mais fluxos e caminhos curtos entre os nós da rede. O top 10 da lista é dominado por instituições de ensino, salvo as empresas de metalomecânica Tegopi (6º lugar) e de charcutaria Primor (9º).

O vice-reitor para a Investigação e Inovação da UMinho. Eugénio Campos Ferreira frisa que a academia tem no seu ADN a preocupação com a transferência do conhecimento e a sua valorização económica e social, através de parcerias com empresas, municípios e agências governamentais, do licenciamento de propriedade industrial e da promoção da cultura do empreendedorismo, de spin-offs e de ciência aberta. A UMinho tem cerca de 500 projetos científicos em curso, incluindo o maior projeto universidade-empresa do país, que supera os 100 milhões de euros e é realizado com a Bosch, incidindo na condução autónoma e na fábrica do futuro.

O estudo da ANI, realizado pela consultora EY-Parthenon, revela ainda que a UMinho surge como o centro de saber nacional com o maior nível de investimento nos programas comunitários QREN e Portugal 2020. Em concreto, obteve 84 milhões de euros (24% do total) para 151 projetos em 2007-2020, seguindo-se as universidades do Porto (45,5 milhões de euros, 13%), Aveiro (40 milhões de euros, 11,5%) e Coimbra (30 milhões de euros, 9%). “Contribuímos de forma ativa, diversificada e comprometida para o progresso da sociedade”, refere Eugénio Campos Ferreira.

 
Voltar