Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXII

Covid-19 Reitores querem avaliações presenciais nas universidades 13-01-2021


O Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) acaba de defender, em nota enviada ao Ensino Magazine, a realização de avaliações presenciais nas universidades.

Na nota enviada à nossa redação, o CRUP explica que as Universidades "consideram que o risco de contágio COVID-19 nas respetivas comunidades académicas se pode considerar controlado, devido às medidas de contenção que tomaram ao longo de 2020 e à forma como conseguiram compatibilizar funcionamento presencial e segurança nas respetivas comunidades".

Diz a mesma nota que "em consequência da experiência adquirida e das medidas tomadas desde o início da crise, o nível de risco e o grau de preparação das Instituições de Ensino Superior face à pandemia tem provado ser fundamentadamente distinto do que se regista noutros setores da sociedade".

Os reitores esclarecem que nesta altura do ano, e conforme previsto nos respetivos calendários académicos, "a atividade letiva presencial nas Universidades é já residual, uma vez que os estudantes estão a entrar em período de avaliações. Esta é uma fase crítica do seu percurso académico, mas em que o risco de contágio não é, de forma alguma, superior".

"Considerando o nível de risco existente nas Universidades, a forma como estas instituições têm combatido e lidado com o risco pandémico, bem como a importância de se manterem as avaliações presenciais, incluindo em áreas em que a presencialidade é indispensável, o CRUP considera que a atividade letiva e avaliativa deva continuar para já presencial. Atento a uma realidade altamente variável, o CRUP continuará a seguir de perto a situação e manifesta a sua total disponibilidade para ajustar as medidas que preconiza em função do que a situação vier a exigir", explica a mesma nota.

 
Voltar