Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXVI

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE LAGOA PROMOVER VALORES PASSO-A-PASSO

04-08-2023

A Escola Básica Integrada de Lagoa, fazendo parte da Rede de Escolas Associadas da UNESCO há bem pouco tempo, tem procurado continuar um trabalho que já vem sendo desenvolvido com uma educação muito marcada por iniciativas que ajudam os alunos a sair dos livros e a olhar a vida e aquilo que pode ser a sua ação no concreto da sociedade onde se inserem.

Por ser um ano inicial, optamos por fazer um caminho que passou por vivenciar em cada mês uma ideia ou valor, que culminou com uma festa final de tradição açoriana.

Desta feita, o caminho que foi sendo percorrido procurou chamar à atenção para problemas e necessidades das comunidades em que se insere esta Unidade Orgânica. Iniciámos o périplo em novembro, em parceria com a CPCJ (Comissão de Proteção de Crianças e Jovens), com uma marcha contra a violência, realidade crescente no concelho e que urge erradicar; promoveu-se a partilha com os mais desfavorecidos; incentivamos a uma cultura de paz; marcando alguns dias internacionais, procurou-se promover uma cultura de igualdade e de aceitação do outro e suas características; incentivou-se o contacto com a natureza e conhecimento do património natural, muito dele parte do Geoparque Açores; entre outras atividades.

A forma como quisemos trilhar o caminho e as experiências desenvolvidas foi de forma festiva. Havendo na tradição algo que aglutinava estas temáticas, decidimos utilizar em vez de inventar, até porque era necessário dar a conhecer à comunidade escolar o verdadeiro sentido daquilo que todos já vivenciam em suas casas: as Festas do Espírito Santo.

As festas do Espírito Santo, nascendo pelas mãos da Rainha Santa Isabel (segundo reza a história), visa ir ao encontro dos mais desfavorecidos, pela partilha da mesa, onde todo aquele que aparecer tem lugar (não importa a condição financeira, a cor ou o sexo), numa partilha generosa e desinteressada. Demonstra, também, pela coroação do mordomo ou alguém no seu lugar, a humildade, que todos somos iguais e que respeitamos a pessoa em todas as suas dimensões.

Esta festa, ainda que religiosa, tem muito de cultural, pois dá a possibilidade de transmitir aos nossos alunos valores que nos ajudam a viver em conjunto. Ajuda a recordar que estas festas nos ensinam a igualdade entre todos e a necessidade da partilha para a promoção da pessoa, a construção de uma sociedade mais justa e a promoção de uma cultura de paz. Valores, por vezes, esquecidos no evoluir dos tempos e que temos de sentir a relevância de recordar e ensinar.

Como Escola que vive e ensina valores, membro da Rede de Escolas Associadas da UNESCO, sentimos esta necessidade de relembrar a verdadeira essência do ser mulher e homem, por um conjunto de valores que não podem ficar no campo das ideias, mas que devem ser realidade no campo da ação concreta e dos encontros que temos para a promoção de uma comunidade saudável.

Eurico Caetano
Voltar