Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXVI

E.B. 2,3 João da Rosa Dar voz aos alunos

14-03-2023

Inserido na Estratégia de Educação para a Cidadania de Escola, no Plano Anual de Atividades e no Projeto Cultural de Escola do Agrupamento, o projeto “Dar voz aos alunos” consiste na realização de Assembleias de Alunos, incluindo o 1.º, o 2.º e o 3.º ciclos da E.B. 2,3 João da Rosa; a operacionalização de programas como o Parlamento dos Jovens; o Orçamento Participativo das Escolas; ou as iniciativas ligadas à Rede de Escolas para a Educação Intercultural e Rede de Escolas Democráticas do Conselho da Europa,  convidando a uma reflexão e operacionalização holística dos Direitos Humanos, da Cultura Democrática, da Educação Ambiental, da Literacia dos Media e da Diversidade Cultural.

O projeto é organizado pela equipa de Cidadania, em articulação com os professores de Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), os professores titulares de turma do 1.º ciclo e a equipa de coordenação pedagógica.

As Assembleias de Alunos pretendem desenvolver competências para a cultura democrática, podendo ser realizadas tanto no ensino presencial como no ensino à distância, criando momentos para a auscultação dos alunos sobre temas que lhes sejam úteis e significativos, promovendo a sua tomada de decisões e a sua participação em programas nacionais ou internacionais, nomeadamente enquanto conferencistas ou embaixadores.

No 1.º ciclo as Assembleias são compostas por todos os alunos, pelo que não há representantes de turma, uma vez que todos os alunos são considerados deputados. Nos 2.º e 3.º ciclos têm assento nas Assembleias, os representantes eleitos por cada turma, num total de 25 alunos. Tanto no 1.º, como no 2.º e 3.º ciclos, podem ser convidados a participar nas sessões plenárias, outros membros da comunidade educativa (alunos, professores, encarregados de educação, profissionais ou especialistas de diferentes áreas).

No que respeita a programas nacionais, para além do Orçamento Participativo das Escolas, é fortemente incentivada, divulgada e participada a iniciativa do Parlamento dos Jovens, tendo o número de alunos envolvidos no programa vindo a aumentar de ano para ano de forma significativa, com alunos da nossa escola a representar o círculo eleitoral de Faro, na Sessão Nacional, na Assembleia da República, em Lisboa.

Faz igualmente parte deste projeto proporcionar aos alunos a participação em eventos ou campanhas nacionais e internacionais. A sua voz tem tido expressão em iniciativas da Escola Azul, evento RISE UP, Grupo Informal de Literacia para os Media (Campanha Nacional 7 Dias com os Media), mas também do Conselho da Europa/UNESCO e do World Forum for Democracy.

O trabalho de projeto e os programas de promoção da cultura democrática, configuram uma forma vivencial de experienciação da Cidadania, desenvolvendo os domínios da Estratégia Nacional de Educação para a Cidadania, as competências para a cultura democrática, assim como formas de cooperação entre diferentes níveis, idades, áreas curriculares e atores da comunidade educativa.  Desenvolvem-se igualmente nos alunos conhecimentos acerca dos procedimentos democráticos e competências para a área da cidadania global, mas também digital, mediante um uso positivo dos média.

Mesmo durante períodos de crise, como o de pandemia, houve preocupação em continuar projetos e debater temas relacionados com a saúde e bem-estar psicológico dos alunos, dando-lhes voz todas as sextas-feiras, tendo este configurado, um dos quatro casos internacionais selecionados para integrar o estudo da UNESCO/ Conselho da Europa “The impact of COVID-19 pandemic on student voice: Findings and recommendations” (podendo ser consultado aqui The impact of the COVID-19 pandemic on student voice: findings and recommendations - UNESCO Digital Library), motivo que finalmente nos levou a integrar a rede de Escolas Associadas da UNESCO.

Filipa Matos
Professora coordenadora
Voltar