Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXIII

CFPIMM – ESCOLA ASSOCIADA DA UNESCO O projeto Fiar* 22-03-2021

O Centro de Formação Profissional das Indústrias da Madeira e Mobiliário (CFPIMM) integra a rede de Escolas Associadas da UNESCO desde março de 2006.
Colaboramos com esta Rede de Escolas pelo facto de sempre termos considerado a Educação para os Direitos Humanos uma base fundamental para o quotidiano de todos os indivíduos que, como formandos, formadores, colaboradores internos ou externos, trabalham com o CFPIMM.
Escolhemos como base de todo o trabalho o tema “Direitos Humanos, Democracia e Tolerância”, e a partir desta escolha, atribuímos ao projeto o nome FIAR, baseados nos objetivos que pretendemos atingir: Formar – Interiorizar – Atuar – Responsabilizar. Em cada ano letivo, procuramos atuar a dois níveis diferentes: por um lado, refletir sobre os Direitos Humanos; por outro lado, Agir para os Direitos Humanos, procurando desenvolver uma responsabilidade individual e mútua no respeito pelos Direitos Humanos para que todos se sintam implicados na construção de uma sociedade mais justa e igual.
Trabalhamos diariamente com formandos jovens, entre os 15 e os 25 anos que frequentam cursos de Aprendizagem de áreas técnicas para concluírem a escolaridade obrigatória, mas também trabalhamos com formandos adultos que, estando desempregados, procuram cursos com o objetivo de melhorarem e adquirirem novas competências. Por isso, a nível formativo e curricular, promovemos atividades relacionadas com os conteúdos das várias unidades, desenvolvendo valores e competências fundamentais para a Cidadania Ativa. Destas atividades em sala de aula, resultam trabalhos elaborados pelos formandos que são expostos e apresentados a todo o Centro, frequentemente com a intenção de comemorar dias e datas especiais na história dos Direitos Humanos, como o Dia Internacional dos Direitos Humanos, o Dia da Eliminação da Violência contra as Mulheres, o Dia da Internet Segura, o Dia contra a Pena de Morte, o Dia contra o Racismo, o Dia contra a Pobreza, a Semana do Desenvolvimento Sustentável, o Dia da Mulher, o Dia da Árvore, entre muitos outros. Neste âmbito, colaboramos com outras instituições locais como as Unidades de Saúde de Rebordosa e Lordelo, as Câmaras Municipais de Paredes e Paços de Ferreira, a GNR, Lipor, Ambisousa, e também mundiais, como a Oikos, a United, Amnistia Internacional e escolas europeias com as quais desenvolvemos vários projetos internacionais. Organizamos debates, seminários e palestras no nosso auditório com várias destas entidades, procurando que sejam momentos de diálogo efetivo e de tomada de consciência. A título de exemplo, tivemos uma apresentação por parte da GNR sobre Bulling em que alguns dos nossos formandos puderam denunciar casos pessoais de ofensas e ataques à sua integridade. O mesmo aconteceu quando, em conjunto com a CM Paredes, organizamos uma sessão sobre a violência doméstica e no namoro. Algumas formandas pediram sessões de acompanhamento para si ou para pessoas que conheciam ser vítimas de violência. Também foi muito interessante ver o impacto que teve nos jovens a sessão que realizamos com médicos da Unidade de Saúde local sobre doenças sexualmente transmissíveis e métodos de contraceção. Momentos de reflexão e ação como estes, levam-nos a considerar este trabalho de educação para os Direitos Humanos como essencial no nosso dia a dia como escola.
Uma das formas que gostamos particularmente de abordar estes temas é através do teatro. Já o fizemos várias vezes com peças originais produzidas pelo próprio grupo de formadores e formandos que pertencem à oficina de Teatro e onde já foram abordados temas como a pena de morte, a escravatura, a desigualdade de género, a discriminação racial e a situação dos refugiados pelo mundo fora. As nossas peças são apresentadas no CFPIMM para toda a comunidade, mas também já tivemos o privilégio de as apresentar noutros locais como bibliotecas e outras escolas.
Sentimos este projeto como estando a fiar um tecido muito delicado, com filamentos frágeis no que toca às relações interpessoais, mas que acreditamos ser possível de fiar a cada um dos envolvidos. Trabalhamos para “Aprender a viver juntos”, motivando todos a caminharem no sentido da Paz, da Igualdade, da Tolerância, entre outros valores.

*do latim filare, transformar em fios os filamentos para serem utilizados na fabricação de tecidos; acreditar, confiar.

Susana Azevedo
Coordenadora do projeto UNESCO
 
Voltar