Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXIII

82ª Volta a Portugal Santander Está de “Volta” a festa do ciclismo

03-08-2021

A edição de 2021 da Volta a Portugal em Bicicleta/Santander, que reúne cerca de 130 ciclistas, começa dia 4 de agosto, com um prólogo, em Lisboa, e termina em Viseu, com um contra-relógio.
Joaquim Gomes, diretor da prova, em nota da própria organização, recorda que “a 82ª Volta a Portugal, independentemente da dimensão histórica de presenças das diversas regiões envolvidas na prova, vai ter um grau de exigência elevado pelos cinco finais em Montanha; Torre, Guarda, St.º Tirso, Montalegre e Mondim de Basto, distribuídos ao longo da prova, mas essencialmente porque na Volta, independentemente do relevo mais ou menos agreste, a entrega sublime, em particular dos representantes das equipas nacionais, torná-los-á dignos do prestigio da nossa Volta e da memória de Agostinho”.
Também o Santander, que mais uma vez se assume como o patrocinador principal daquela que é a prova emblemática do nosso país, considera a competição “como uma prova com características muito especiais de superação, resiliência, paixão, que liga as várias regiões de Portugal, com uma grande proximidade ao público. Estes são também os valores do Santander, e que nos ajudam no nosso forte compromisso de proximidade e envolvimento com a comunidade local”.
A instituição bancária que tem tido um forte papel no apoio à educação, em especial ao ensino superior, vai também “ao longo das várias etapas, desenvolver diversas iniciativas e ações de reforço dos valores da marca Santander em associação com os valores da Volta a Portugal, quer através da promoção da prática desportiva e hábitos de vida saudáveis, quer através de iniciativas de proximidade junto das localidades onde a Prova vai estar”.

Dia a dia da Volta
A Volta a Portugal deste ano vai começar a 4 de agosto em Lisboa, com um prólogo, que tem partida e chegada na Praça do Império, junto ao Centro Cultural de Belém. O percurso, na Avenida da Índia, deste contrarrelógio individual terá 5,4 quilómetros.
De acordo com a nota enviada à comunicação social pela organização, a 1ª etapa (5 de agosto), que vai homenagear um dos grandes ciclistas portugueses de todos os tempos - Joaquim Agostinho -, liga Torres Vedras a Setúbal, num percurso de “175,8 quilómetros, com passagens por Sobral de Monte Agraço, onde estará instalado o primeiro Prémio de Montanha da prova, com as Metas Volantes de Alenquer, Arruda dos Vinhos e Palmela a conduzirem a caravana à cidade sadina, onde, na  Avenida Luísa Todi, depois de uma contagem de Montanha de 2ª categoria no Alto da Arrábida, finalizará a Etapa”.
A segunda etapa, no dia 6 de agosto, começa em Ponte de Sor e termina em Castelo Branco. “O percurso é composto por três metas volantes (Crato, Portalegre e Vila Velha de Ródão) e três Prémios de Montanha de 3ª categoria, em Monte Paleiros, Serra de Ródão e Retaxo. Serão 162,1 quilómetros até ao empedrado da Avenida Nuno Álvares, no centro da capital da Beira Baixa, Castelo Branco”, refere a organização.
A etapa seguinte, a 7 de agosto, é uma das rainhas da prova. São 170,3 quilómetros entre a Sertã e a Covilhã terminando o dia na Torre, o ponto mais alto de Portugal Continental, com quase dois mil metros de altitude. “A prova vai passar por Oleiros, Fundão e, depois na Covilhã, numa etapa em que será sempre a Montanha a dominar. Haverá quatro contagens para a classificação do “Rei dos Trepadores”, que terá este ano uma distinção diferente, a Camisola das Bolinhas - Continente. No pico da Serra da Estrela encontra-se a tarefa mais difícil, o Prémio de Montanha de Categoria Especial, que coincide com a meta, na Torre”, explica a organização.
No dia seguinte, os corredores partem de Belmonte e terminam a etapa na cidade mais alta de Portugal, Guarda, com passagens por Caria, pela aldeia histórica de Sortelha, no Sabugal, rumando de seguida a Pinhel e Celorico da Beira. “A antecipar o Dia de Descanso da Volta que acontece na Guarda, pela segunda vez consecutiva, haverá música junto à Sé. Será o Concerto da Volta, iniciativa que a organização da prova, a Podium Events, também faz regressar este ano com todas as medidas de segurança sanitária. A estrela será a banda Capitão Fausto”, informa a organização.
A Volta regressa à estrada no dia 10 de agosto, numa ligação entre Águeda e Santo Tirso, numa extensão de 171 quilómetros e que inclui “três contagens de montanha de 4ª categoria e outras tantas metas volantes (Oliveira de Azeméis, Santa Maria da Feira e Santo Tirso). A tirada vai terminar em alto com a subida ao Santuário da Nossa Senhora da Assunção, no Monte Córdova, Santo Tirso”.
Segue-se o sétimo dia de competição e que decorre no Minho, com ligação entre Viana do Castelo e Fafe. “São 182,4 quilómetros com Metas Volantes, em Valença, Ponte da Barca e Póvoa de Lanhoso e quatro Prémios de Montanha, com particular relevo para a passagem no “Estremo” e “Portela do Vade”, ambos de 3ª categoria e cuja travessia nos confronta com o magnifico cenário de Monção, Arcos de Valdevez, Ponte da Barca e Vila Verde”.
A etapa mais longa desta edição, a 7ª etapa, vai começar em Felgueiras a 12 de agosto. “Serão 193,2 quilómetros, com passagens por Vila Pouca de Aguiar, Valpaços e Torre de Dona Chama (Metas Volantes) antes de terminar em Bragança, município que se repete nesta 82ª Volta a Portugal Santander”.                                                   
É de Bragança que partirá a 8ª etapa. “A jornada de 160,7 quilómetros vai terminar em Montalegre, depois da passagem na Aldeia de Torneiros em Boticas, onde está instalado um Prémio de Montanha de 1ª categoria. Será na Serra do Larouco, após a sempre difícil subida de dez quilómetros até ao segundo ponto mais alto de Portugal Continental, a uma altitude de 1503 metros, que os protagonistas terão de se impor”, revela na mesma nota a organização.
A 9ª etapa começa em Boticas e termina em Mondim de Basto. É aqui que se sobe à mítica Senhora da Graça. A etapa, de 145,5 quilómetros, integra dois Prémios de Montanha de 1ª categoria, o último naturalmente na tão carismática subida à Sra. da Graça, rodeado das belas paisagens do Parque Natural do Alvão.
A Volta termina em Viseu, a 15 de agosto, com um contrarrelógio de 20,3 quilómetros. “Será o esforço final e a derradeira prova para encontrar o vencedor de 2021, sucessor de João Rodrigues, campeão da Volta em 2019”.
A 82ª Volta a Portugal Santander conta com 19 equipas, podendo cada conjunto alinhar com um máximo de sete corredores. “Ao todo, o pelotão terá cerca de 130 corredores que vão percorrer os 1568,2 quilómetros desta edição repartidos por dez etapas. A Volta faz-se com dois contrarrelógios individuais (Prólogo e última Etapa), 27 metas volantes e 33 prémios de montanha (4 Contagens de 1.ª categoria, 5 Contagens de 2.ª categoria, 13 Contagens de 3.ª categoria,10 Contagens de 4.ª categoria e 1 Contagem de Categoria Especial - Torre)”.

 
Voltar