Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXV

Medicamentos e idosos Guarda desenvolve projeto

18-03-2022

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) está a desenvolver um projeto de investigação, na área da polimedicação (uso de múltiplos fármacos em simultâneo), que pretende melhorar o uso de medicamentos pela população idosa. Denominado APIMedOlder, é financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia e está a ser desenvolvido em parceria com a Universidade de Aveiro.
“Os projetos de investigação desenvolvidos no Politécnico da Guarda estão alinhados com as nossas áreas de formação e respondem direta ou indiretamente aos desafios das empresas e da sociedade”, afirma Joaquim Brigas, presidente do IPG. “A investigação e a transferência de conhecimento são grandes prioridades. Pretendemos dotar a instituição com mais quadros altamente qualificados capazes de melhorarem a qualidade de ensino e da investigação científica produzida”, conclui.
Já Fátima Roque, investigadora responsável, “dadas as modificações farmacocinéticas e farmacodinâmicas que acontecem com o envelhecimento, a população idosa está mais predisposta ao desenvolvimento de reações adversas a medicamentos”. A docente do IPG explica que o projeto “tem duas fases: a primeira consiste na operacionalização dos critérios de identificação de Medicamentos Potencialmente Inapropriados. A segunda visa desenvolver uma ferramenta otimizada que possa ser útil aos profissionais de saúde e aos investigadores na área da farmacoepidemiologia”.
A EU(7)-PIM é uma ferramenta de critérios explícitos, desenvolvida por especialistas de sete países europeus, que permite a identificação de Medicamentos Potencialmente Inapropriados (PIM) em idosos de sete países. “Na elaboração desta lista não participaram peritos portugueses, pelo que considerámos importante fazer a sua operacionalização para a realidade portuguesa e tivemos a colaboração da perita alemã da Universidade de Wuppertal, Petra Thurman, uma das autoras da lista europeia original”, afirma Fátima Roque. Este trabalho foi publicado, em 2021, na Revista Acta Médica.

 
Voltar