Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXIII

Politécnico Plataforma do Ensino Superior leva cursos a mais concelhos 25-06-2021

A Plataforma do Ensino Superior colaborativa desenvolvida pelos Politécnicos de Santarém, Setúbal, Leiria e Tomar em colaboração com as autarquias, empresas e escolas profissionais da região vai levar a oferta de ensino superior politécnico aos concelhos da Amadora, Arruda dos Vinhos, Loures, Mafra, Odivelas, Sintra, Torres Vedras e Vila Franca de Xira.

Segundo o Ensino Magazine apurou junto do Politécnico de Santarém, a Plataforma vai funcionar já a partir de setembro com oferta formativa de "curta duração de ensino superior designadamente cursos técnicos superiores profissionais, cursos de curta duração e pós-graduações nas áreas de TICE, comunicação e eletrónica, química, conservação e restauro, turismo e desporto".

A apresentação foi feita dia 24 de junho, em Santarém, numa cerimónia que contou com a presença do Ministro da Ciência e do Ensino Superior, Manuel Heitor, e dos presidentes dos politécnicos de Santarém, João Moutão, de Setúbal, Pedro Dominguinhos,  da Câmara de Torres Vedras, Laura Rodrigues, Laura Rodrigues, da responsável da área de recrutamento e seleção da Softinsa, Carla Silva, e da estudante Madalena Siragusa que deu o seu testemunho na experiência que teve neste tipo de formação.

Para além das quatro Instituições de Ensino Superior envolvidas, este projeto conta ainda com 8 municípios, mais de 300 empresas, pretendendo chegar a 900 estudantes.

Na ocasião, Manuel Heitor destacou a importância deste tipo de oferta, a qual pretende "dar resposta às necessidades de qualificação das empresas e desses territórios".

João Miguel Moutão, presidente do Politécnico de Santarém, em nota enviada ao Ensino Magazine, explica que "para desenvolver este tipo de oferta formativa deslocalizada temos que mobilizar internamente as instituições exigindo uma boa articulação de todos, com partilha de recursos, exigindo uma grande coordenação interna entre as 4 instituições envolvidas, sendo determinante também o envolvimento dos territórios nomeadamente das autarquias, escolas e empresas da região”.

Já Pedro Dominguinhos, presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos e do Politécnico de Setúbal,  referiu à Lusa, que vão ser ministrados 35 cursos técnicos superiores profissionais, pela primeira vez, no próximo ano letivo, naqueles concelhos do distrito de Lisboa, onde a oferta formativa é "escassa ou inexistente".

 
Voltar