Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXIII

Construção de estratégia para a região Ministra aponta IPSetúbal 21-06-2021

A ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, manifestou esta manhã, no Instituto Politécnico de Setúbal (IPS), a disponibilidade do Governo para propor junto da Comissão Europeia o regresso da Península de Setúbal ao estatuto de NUTS III autónoma, propondo, no entanto, que se comecem a desenhar desde já “estratégias viáveis de desenvolvimento”, à margem dos fundos de coesão, em que o IPS desempenhará um papel fundamental.
A governante falou na abertura da conferência ‘Devolver o futuro à Península de Setúbal’, uma iniciativa organizada pela Associação da Indústria da Península de Setúbal (AISET), que ao longo do dia reúne no Auditório Nobre do IPS autarcas, deputados, empresários e académicos para discutir a urgência de repor a região no mapa dos fundos europeus, retirando-a da NUTS II Área Metropolitana de Lisboa, onde é considerada estatisticamente com uma das regiões mais desenvolvidas da Europa limitando, assim, o acesso a apoios diferenciados.
“O IPS vai ter uma importância extraordinária, não só pela formação que faz em conjunto com as empresas, mas também no apoio à construção de uma estratégia específica para a região, nomeadamente como mediador nas candidaturas ao PRR [Plano de Recuperação e Resiliência], e aos fundos e iniciativas geridas diretamente pela Comissão Europeia”, referiu a governante.
No final, Ana Abrunhosa comprometeu-se a falar “diretamente, olhos nos olhos” com todos os agentes de desenvolvimento da região, e a criar, “através do IPS, uma infraestrutura que vos ajude a entender esta linguagem e que possa capacitar a região para trabalharmos nestes projetos”. “São fundos avultados, apenas temos que aprender a fazer candidaturas”, concluiu.

Mário Romão
 
Voltar