Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXII

Música Alunos da Esart na Orquestra sem Fronteiras 07-01-2021

Os alunos da Escola Superior de Artes Aplicadas de Castelo Branco (Esart), Flávio Oliveira, Samuel Ferreira, José Meneses e Derek Aguiar - do Quarteto Intemporal; David Seixas (1° violino), Sara Martins (2° violino), Ana Filipa (Viola d’arco), Diogo Martins (Violoncelo) e José Fangueiro (Acordeão) - do Quartz Quintet; foram selecionados para a 1ª edição das Residências em Música, organizado pela Orquestra sem Fronteiras (OSF). Além daqueles alunos foram ainda selecionados dois grupos de Música de Câmara da Esart.

Em nota enviada ao Ensino Magazine, o Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) explica que “a seleção para a 1ª edição das Residências de Música destes dois grupos da ESART/IPCB surgiu após a submissão de candidaturas num concurso nacional onde foram avaliados, não só o potencial de crescimento, o mérito e a coesão apresentados por cada grupo, como também a possibilidade e viabilidade da sua continuação ao longo do tempo”.

De acordo com o IPCB, “foram valorizados os grupos com propostas de programas com valências pedagógicas passíveis de serem apresentados em contextos didáticos, concertos-comentados ou outros formatos de encontro informal com o público que privilegiassem a inclusão, a originalidade, a coerência e o interesse estético-musical”.

Numa primeira fase, os alunos agora selecionados terão um momento de formação, em contexto de masterclass, com músicos profissionais convidados pela Orquestra Sem Fronteiras. Posteriormente, “será iniciado um período de atividade concertística regular a decorrer até 30 de junho de 2021 em localidades e contextos a determinar pela Orquestra Sem Fronteiras, mediante uma calendarização pré-estabelecida com os agrupamentos selecionados”.

O IPCB recorda que “as Residências em Música de Câmara da OSF têm por objetivo diversificar a oferta musical da Orquestra sem Fronteiras, alcançar uma descentralização mais profunda em território nacional, e ao mesmo tempo apoiar o talento de agrupamentos de música de câmara jovens, proporcionando-lhes uma experiência profissional regular, formação, acompanhamento e valorizando a sua proximidade com os públicos”.

 
Voltar