Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXIII

Integra a Estratégia Nacional Docente da ESE contra a pobreza 10-12-2020

O docente da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB), Marco Domingues, integra a comissão de trabalho que está a elaborar a proposta de Estratégia Nacional de Combate à Pobreza. A informação foi veiculada ao Ensino Magazine pelo IPCB.
A Estratégia Nacional surge no âmbito do Pilar Europeu dos Direitos Sociais, e a integração de Marco Domingues neste grupo de trabalho resulta de um convite da Ministra de Estado e da Presidência e da Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. Marco Domingues participará enquanto representante da Animar - Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local, entidade a que preside.
Na mesma nota é referido que a comissão é coordenada por Edmundo Martinho, provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, com quem o docente do IPCB reuniu pela primeira vez no dia 18 de novembro, com o objetivo de apresentar contributos para a referida estratégia.
De acordo com o Politécnico, Marco Domingues aproveitou a reunião para reforçar “a importância da justiça social e climática, da intervenção comunitária, do reforço do trabalho em rede e parceria, da monotorização local dos indicadores sociais e do reforço da equidade no sistema de educação e na sua relação com as famílias e comunidade”.
Marco Domingues destacou “também a importância da participação das comunidades e das políticas sociais serem construídas a partir de baixo, a relevância da Rede Social Local enquanto instrumento publico e participado de diagnóstico, planeamento e de intervenção social, e ainda o papel preponderante da economia social e o potencial das incubadoras sociais”.
As “velhas respostas sociais” foram ainda focadas pelo docente da ESE, dando o exemplo das “empresas de inserção enquanto mecanismos de combate à pobreza e exclusão social e salientando, por outro lado, a importância das instituições de ensino superior na avaliação e promoção da inovação, através de lógicas de investigação-ação, fundamentais para a melhoria contínua da intervenção social”.

 
Voltar