Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXIII

40 º aniversário do Politécnico de Leiria IPLeiria acolhe 5500 novos alunos e cria universidade europeia

04-11-2020

O Instituto Politécnico de Leiria assinalou, no passado dia 3 de novembro, 40 anos de existência, num momento em que acolheu 5500 novos alunos para o ano letivo que agora começou, e em que viu aprovada a criação da Universidade Europeia – Regional University Network (RUN), por si liderada.

Estes factos, a par do desejo de alterar a designação para Universidade Politécnico de Leiria e da atribuição do grau de doutoramento, foram temas em destaque na sessão solene realizada no Teatro José Lúcio da Silva. Na cerimónia, mais reservada e transmitida em direto nos canais da instituição, o Ensino Magazine atribuiu um prémio monetário de mérito académico (o vencedor foi Wilson Raposo, da licenciatura em Dietética e Nutrição, com a média de 18,7 valores) e distinguiu o IPLeiria com uma salva de mérito pelo trabalho realizado em prol do ensino superior e da investigação no nosso país.

Rui Pedrosa, presidente do IPLeiria, aproveitou a sua intervenção para classificar a criação da Universidade Europeia – Regional University Network (RUN), num projeto liderado pelo Politécnico de Leiria, “como um dos grandes marcos alcançados em 2020”, o que no seu entender reforça a afirmação do Politécnico “como uma instituição que cumpre cada vez mais em pleno o seu papel e responsabilidade de instituição de ensino superior pública, quer na dimensão nacional, quer na dimensão internacional”.

A Universidade Europeia – Regional University Network, aprovada pela Comissão Europeia em julho último, é constituída por sete instituições de ensino superiores parceiras: o Politécnico de Cávado e do Ave, de Portugal; o Limerick Institute of Technology e o Athlone Institute of Technology, ambos da Irlanda; a Széchenyi István University (SZE), da Hungria; a Häme University of Applied Sciences HAMK, da Finlândia; a NHL Stenden University of Applied Sciences, da Holanda; e a FH Vorarlberg University of Applied Sciences, da Áustria.

Como o Ensino Magazine já referira em primeira mão, o “projeto vai permitir a criação de três hub de inovação (indústria do futuro e desenvolvimento regional sustentável; bioeconomia; e inovação social) e a criação do Future and Advanced Skills Academies”.

O IPLeiria explica que “no âmbito do RUN serão igualmente criados os European Center for Mobility Innovation e European Degrees, suportados por SAP’s, isto é, cursos avançados de curta duração que vão não só permitir aos estudantes a possibilidade de os realizar e de os creditar nas suas formações, mas também assegurar a mobilidade de curta duração de estudantes internacionais, de professores e investigadores, e a requalificação e qualificação avançada de profissionais”.


No seu discurso, Rui Pedrosa lembrou que o politécnico teve, apesar do contexto pandémico, o maior número de sempre de alunos colocados no Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior, e hoje, pela primeira vez na sua história, tem mais de 13 mil estudantes matriculados.

“Continuar a ter os estudantes no centro da nossa atividade e dar cada vez melhores respostas neste contexto em que vivemos é um desafio diário e permanente”, disse, apontando o investimento que tem sido feito para que, em 2022, de modo transversal as cinco Escolas do Politécnico de Leiria tenham 75% do corpo docente de carreira. Rui Pedrosa destacou igualmente a criação do doutoramento em Fabrico Digital Direto para as Indústrias dos Polímeros e Moldes, constituído numa parceria entre o Politécnico de Leiria e a Universidade do Minho, e que se tornou o primeiro doutoramento criado em Portugal em associação entre uma Universidade e um Politécnico.

Ainda no âmbito dos marcos distintivos da instituição em 2020, o presidente afirmou que, “com muita resiliência e persistência”, o Politécnico de Leiria viu os seis mil metros quadrados de fibrocimento da Escola Superior de Educação e Ciências Sociais (ESECS) serem considerados prioridade número um pelo Governo, o que significa 100% de financiamento para a sua remoção e substituição. “Estamos a ultimar o projeto de arquitetura e especialidade para apresentar a candidatura ao Ministério das Finanças, com o objetivo de no ano letivo 2021/2022 já termos este problema resolvido. Esta importante melhoria que está a ser projetada em nada muda a ambição e necessidade de construirmos uma nova ESECS que, em si, seja transformadora e indutora de criatividade e inovação nas suas áreas de intervenção principais”, disse.

A questão económica também não foi esquecida e Rui Pedrosa criticou o “subfinanciamento crónico da instituição, facto que se agravou neste ano onde a despesa aumentou significativamente e a receita, particularmente nos serviços de ação social, diminuiu. Este ano, o Politécnico de Leiria, ao dia de hoje, tem mais 537 novos estudantes quando comparado com o ano anterior, sendo o quinto ano consecutivo de crescimento. Curiosamente, este esforço para atrair e reter talento para a região resultará em mais constrangimentos financeiros, caso não existam correções estruturais que hoje devem ser feitas em sede de discussão orçamental na especialidade», referiu o presidente.

Já Pedro Lourtie, presidente do Conselho Geral do Politécnico de Leiria, salientou a importância da iniciativa legislativa de cidadãos liderada pelos presidentes dos Conselhos Gerais dos Politécnicos, que requer a alteração da designação destas instituições de ensino superior para Universidades Politécnicas, e que apela à possibilidade de os politécnicos outorgarem o grau de doutor.

Na sessão solene interveio ainda Tânia Santos, representante dos estudantes do Politécnico de Leiria, apontando 2020 como um “ano desafiante que obrigou a adaptar as formas de aprendizagem e de acolhimento”. A cerimónia teve como orador Francisco George, ex-diretor da Direção-Geral da Saúde, foi o orador convidado da sessão solene, que refletiu sobre “A Saúde dos Portugueses: Desafios”.

Na cerimónia foram entregues dois títulos honoríficos Professor Honoris Causa, a Rosalia Vargas, presidente da Agência Nacional Ciência Viva, pelo seu contributo para a cultura científica nacional e para a comunicação de ciência, e a Ana Paula Laborinho, diretora nacional da Organização de Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura, pelo seu contributo para a internacionalização e cooperação para o desenvolvimento.

O Politécnico de Leiria reconheceu ainda a Fundação Calouste Gulbenkian, com a distinção de mérito científico e tecnológico, e de mérito cultural e artístico, pelo contributo para a cultura, ciência e coesão social regional, nacional e internacionalmente; e a Fórum Estudante, com a distinção de mérito socioprofissional, pelo contributo para a promoção do ensino superior e valorização da importância da formação qualificada.

A Sessão Solene de Abertura do Ano Académico 2020/2021 do Politécnico de Leiria contou ainda com a homenagem aos seus colaboradores com mais de 25 anos de serviço, e com a entrega de prémios, bolsas e distinções a atuais estudantes, diplomados, professores e investigadores do Politécnico de Leiria, nomeadamente: Prémios Politécnico de Leiria – Mérito Ensino Secundário; Prémio Ensino Magazine; Distinção Alumni Politécnico de Leiria; Prémios I&D+i Politécnico de Leiria. O evento terminou com uma atuação musical de Cláudia Pascoal.

 

IPLeiria
 
Voltar