Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXIII

Docentes lançam livro A Matemática na Promoção do Pensar 11-12-2020

Um grupo de seis professores de Matemática e de Ciências de Castelo Branco (António Lopes, Dolores Alveirinho, José Filipe, Nuno Santos, Paulo Afonso e Ricardo Portugal) acabam de publicar um livro intitulado: O Clube do Quebra Caco I – Do Facebook para o papel: A Matemática na Promoção do Pensar.
Trata-se de uma obra, publicada pela Associação de Professores de Matemática (APM), coordenada por Paulo Afonso, da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Castelo Branco e prefaciada por António Borralho, da Universidade de Évora.
O livro resultou de uma Projeto de exercitação mental denominado O Clube do Quebra Caco, Projeto que tem sido desenvolvido na rede social – Facebook desde o dia 19 de janeiro de 2019, e consiste na disponibilização diária de desafios matemáticos (problemas, enigmas, quebra-cabeças, tarefas de investigação, etc.) para serem resolvidos pelas mais de 5000 pessoas que seguem, também diariamente, este Projeto.
Na publicação destacam-se as respostas corretas que os seguidores deste Projeto deram aos desafios disponibilizados pelos seus dinamizadores durante os quatro primeiros meses da sua implementação. Pela natureza desafiadora das tarefas matemáticas apresentadas, muitas delas, permitindo mais do que uma possível solução válida, têm possibilitado que os participantes nacionais e estrangeiros possam entrar em diálogos muito construtivos, comentando as intervenções de cada um.
Apesar de não ser um livro de Didática da Matemática, a tipologia dos desafios propostos pode constituir uma mais-valia formativa para o desenvolvimento profissional de alguns professores de Matemática, bem como servir de tónicos motivacionais para criar nos alunos do Enino Básico e Secundário o gosto pela Matemática, pois suscitam a comunicação matemática e a promoção do pensar.
Além disto, também podem ser elementos de união familiar, dado que para a sua resolução não são requeridos conhecimentos matemáticos de elevada dificuldade e, por isso, podem suscitar a resolução em família, possibilitando discussões ricas entre os vários resolvedores, tendo em conta que cada um poderá resolver os desafios usando estratégias diferentes dos demais.

 
Voltar