Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXV

As escolhas de Valter Lemos Aprilia Tuareg – Oh, as italianas!

16-02-2022

Itália é o país com maior tradição de fabrico de motos. Algumas das marcas mais antigas e mais conhecidas do mundo das duas rodas tiveram origem naquele país. Vespa, Ducati, Moto Guzzi, Piaggio, MV Augusta, Laverda e Benelli são exemplos de marcas de motos com grande historial e conhecidas em todo o mundo. Também a Aprilia é uma dessas marcas. Apesar de relativamente recente (a primeira moto produzida foi em 1968), o longo historial de êxitos desportivos da marca proporcionou-lhe uma larga notoriedade.
Atualmente a Aprilia é a marca mais desportiva do maior grupo europeu do setor, o grupo Piaggio, competindo no campeonato de moto GP e também no mundial de superbikes, as mais importantes provas mundiais de velocidade em duas rodas, tendo obtido alguns títulos em diversas categorias, através de vários pilotos como Max Biaggi, Valentino Rossi, Jorge Lorenzo, Sylvain Guintoli e diversos outros. Mas não só em velocidade como também na categoria de Supermoto a marca venceu diversos campeonatos do mundo.
No final dos anos 80 do século XX a Aprilia produziu uma moto todo-o-terreno para participar no famoso Paris-Dakar. Apesar de nunca ter ganho a prova, a Tuareg demonstrou grandes qualidades e tornou-se uma moto de referência. Tendo sido descontinuada durante largos anos, eis que a Tuareg ressurgiu em 2022, com um design irrepreensível e uma tecnologia e um equipamento bem acima da média do segmento trail em que se insere.
A Tuareg 660 usa o bloco de 659cc que equipa outras motos mais estradistas da marca, mas aqui com um desenvolvimento adaptado a uma trail. Menos potência (80 cv), mas mais binário (70 Nm) a mais baixo regime (75% às 3000 rpm). É um motor bem cheio a baixos e médios regimes.
Do ponto de vista tecnológico a Tuareg é uma montra completa. Vários modos de condução selecionáveis mesmo em andamento, com regulação do efeito travão-motor, nível de intervenção do ABS, controlo de tração e potência do motor, cruise control, painel de instrumentos de 5 polegadas a cores com suporte multimédia, permitindo emparelhar um smartphone e dois intercomunicadores, gerir chamadas, mensagens e reproduzir GPS curva a curva.
Com um banco estreito na zona frontal a Tuareg facilita a posição de condução mesmo para condutores um pouco mais baixos. O comportamento dinâmico assente numa excelente suspensão e nuns insuspeitos travões Brembo é quase perfeito.
Quase tudo na Tuareg respira qualidade, respondendo a um excelente design, o que não surpreende, dado que foi desenhada por Mirko Zocco, autor da também irrepreensível Moto Guzzi V85TT, no Piaggio Advanced Design Center na Califórnia, dirigido Miguel Galuzzi ex-Cagiva e ex-Ducati e autor da Monster original.
Claro que este nível tem custos e o preço da Tuareg ultrapassa os 12 mil euros à semelhança da sua “prima” Moto Guzzi e um pouco acima de rivais também de excelente qualidade como a Yamaha Ténére 700.

 
Voltar