Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXV

Escola Portuguesa de Moçambique O mundo em 90 minutos

24-01-2022

O Brigadeiro-General Nuno Lemos Pires, Comandante da Missão de Formação Militar da União Europeia em Moçambique, foi orador numa palestra organizada pela Escola Portuguesa de Moçambique (EPM-CELP), para partilhar os seus conhecimentos históricos, estratégicos e a sua visão sobre as novas tendências globais com alunos e professores da escola.
A palestra, subordinada ao tema “Volta ao Mundo em 90 minutos”, incidiu, sobretudo, na história da evolução humana, nas ameaças existenciais – velhas e novas –, e nas tendências pós-covid19, e foi ministrada pelo oficial do Exército Português no Auditório Carlos Paredes.
Incisivo, Nuno Lemos Pires começou por contextualizar os alunos da turma de Humanidades sobre a teoria evolucionista do Big Bang, há cerca de 13 mil milhões de anos, que posteriormente levou à existência humana há 200 mil anos. Com recurso a uma apresentação multimédia, seguiu-se, então, a abordagem daquilo a que chamou de “os piores cenários ou ameaças existênciais” após o surgimento do Homem. E são eles, os eventos nucleares, desastres ecológicos, pandemias incontroláveis, tecnologia descontrolada, desagregação social, entre outros.
Porém, conquanto o Mundo já esteja “devastado”, o também historiador Nuno Lemos Pires explicou que existirão ainda novas ameaças e riscos que o Planeta Terra irá enfrentar. “A decadência do poder e desagregação social, as alterações climáticas e pressões demográficas, a existência e o fomento de narrativas radicais e a disrupção tecnológica serão, sobretudo, os nossos próximos inimigos”, alertou, acrescentando que aliado a isso “temos as tendências pós-covid19 que, por sua vez, trarão desigualdades, mais isolamento, realidades multiplataformas e mais incentivo a narrativas de ódio”.

EPM-CELP
 
Voltar