Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXIII

Universidade Eduardo Mondlane Bolsas para alunas 19-02-2021

A Mozal atribuiu 20 bolsas de estudo a alunas dos cursos de Engenharia eletrónica, elétrica, mecânica, civil, informática, química e ambiente da Faculdade de Engenharia da Universidade Eduardo Mondlane (UEM).
A oferta enquadra-se no âmbito da implementação do projeto "Mulheres na Indústria", lançado ano passado por aquela multinacional cujo objectivo é estimular as raparigas a frequentarem cursos das áreas de engenharias para garantir o equilíbrio.
A bolsa inclui o pagamento da taxa anual de matrícula, subsídio mensal de transporte e despesas associadas e ainda a oferta de um computador portátil.
A vice-reitora Académica da UEM, Amália Uamusse, fez saber que de um modo geral o número de raparigas que ingressam nos cursos da UEM tem vindo a aumentar, tendo atingido, em 2019, uma percentagem de 40 por cento do total dos estudantes da UEM. No entanto, reparou que nos cursos de Engenharia a cifra continua bastante baixa, apenas 14 por cento são mulheres.
Defendeu ser absolutamente preponderante a adopção de uma abordagem equitativa e que respeite as especificidades de género e a criação de sinergias com vários actores, mormente as instituições do ensino superior. Enalteceu o facto de o apoio do setor privado e organizações não-governamentais nacionais e estrangeiras que operam em áreas de interesse estarem a ajudar a “impulsionar a candidatura de mais mulheres aos cursos de engenharia assim como a sua retenção até a conclusão dos cursos”.
O diretor de Assuntos Corporativos da MOZAL, Gil Cumaio, afirmou que a sua instituição acredita que a formação é um dos fatores determinantes para o desenvolvimento de habilidades humanas e técnicas necessárias para o aumento dos níveis de empregabilidade e geração de autoemprego em prol do desenvolvimento do País.
Sublinhou que com o gesto pretendem se juntar aos esforços do governo em reverter o cenário de baixa participação da mulher, particularmente nos cursos tradicionalmente considerados para homens. "Encorajamos todas as raparigas beneficiárias destas bolsas a darem o melhor de si, dedicando-se aos estudos de modo a fazer valer esta oportunidade", disse.

 
Voltar