Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXV

Escola Especialista da Unesco coloca sistema educativo português entre os 40 melhores do mundo

26-05-2022

A especialista em currículos escolares Amapola Alama, da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), considera o sistema educativo português como um dos 40 melhores do mundo, comparando Portugal a um Rolls-Royce pela qualidade do seu sistema educativo

A diretora da Unidade de Assistência Técnica aos Estados-membros da UNESCO no Bureau Internacional da Educação falava no 2.º Encontro Nacional de Autonomia e Flexibilidade Curricular, que a Direção-Geral de Educação realizou esta semana no centro de congressos Europarque, em Santa Maria da Feira, e que na manhã do dia 25 de maio, reuniu cerca de 800 participantes nesse auditório do distrito de Aveiro.

Acumulando mais de 30 anos de experiência no apoio a países em processos de reforma educativa, sempre com o objetivo de melhorar a qualidade e relevância dos respetivos currículos, Amapola Alama fez a comparação entre o sistema português e o automóvel de luxo ainda antes de ouvir a síntese do ministro português da Educação sobre a transformação curricular em curso desde 2015 nas escolas nacionais e os modelos de monitorização implementados para avaliar as respetivas mudanças.

“Vocês são o ‘Rolls-Royce’ dos sistemas de educação. Estão entre os 40 países de topo no mundo da educação”, disse a especialista à plateia, constituída sobretudo por diretores de agrupamentos escolares e centros de formação, representantes dos organismos da tutela e outros profissionais e agentes do setor.

Amapola Alama defendeu que “o currículo é a força motriz de um sistema educativo e dá forma à visão que um país tem para a sua educação”, na medida em que, tanto ao nível técnico como político, estabelece “o quê, o como e o para quem” de todos os patamares do processo, abrangendo desde manuais escolares, a infraestruturas físicas e modelos de gestão.

Referindo que o Bureau Internacional da Educação está atualmente “a ajudar 48 países nas suas reformas políticas relativas à educação”, a especialista alerta, contudo, que um problema comum é “a incoerência entre o currículo implementado e aquele a que efetivamente se acede” – como acontece, por exemplo, “quando a instituição de ensino não alinha os seus professores com o que o currículo determina e, apesar de ter mudado para um modelo baseado em competências, os docentes continuam a só avaliar os alunos pelo que aprendem de cor”.

Quanto ao modelo que vem sendo adotado em Portugal, Amapola Alama reconheceu-lhe a mesma missão social que a UNESCO vem seguido desde que, em 2015, passou a trabalhar os objetivos de equidade e a igualdade não em programas separados, mas sim “numa agenda única”.

No mesmo sentido de sucesso educativo para todos, a especialista incentivou à confiança nas “palavras maravilhosas” que inspiram o evento a decorrer no Europarque: “A ‘autonomia’ e a ‘flexibilidade curricular’ exigem muito de todas as partes envolvidas, mas também têm o poder de realmente inovar e transformar”.

Lusa | EM
Freepik
 
Voltar