Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXIII

Gente & Livros Haruki Murakami

05-08-2021

Apontado com frequência ao Prémio Nobel da Literatura, Haruki Murakami é um dos mais populares escritores japoneses. A sua obra está traduzida para mais de 50 idiomas.
Haruki Murakami nasceu em Kyoto, Japão, em 1949. Cresceu na cidade portuária de Kobe e, mais tarde, formou-se em Dramaturgia Clássica na Universidade de Waseda, em Tóquio, onde viveu dias intensos, incluindo a participação em protestos contra a Guerra do Vietname. Ali conhece também a sua esposa.
Após frequentar a universidade, Murakami abre um bar de jazz em Tóquio, que gere com a esposa durante sete anos, entre 1974 e 1982. Sobre aquele espaço, afirmaria mais tarde: “Tudo o que preciso saber na vida aprendi no meu bar de jazz”.
O romance de estreia, “Hear The Wind Sings” (1979), venceu o Prémio Literário Gunzou e levou Murakami a dedicar-se quase em exclusividade à escrita. Seguiram-se os livros “Pinball 1973” (1980) e “Em Busca do Carneiro Selvagem” (1982), que em conjunto com o primeiro formam “A Trilogia do Rato”, personagem transversal aos três romances.
Entre outros, Murakami é também o autor dos romances “Norwegian Wood” (1987); “Dance Dance Dance” (1988); “Crónica do Pássaro de Corda” (1994); “Sputnik, Meu Amor” (1999); “Kafka à Beira-Mar” (2002); “A Rapariga que Inventou um Sonho” (2008) ou “1Q84” (2010). Escreveu ainda três coletâneas de contos e uma novela ilustrada.
Ao longo da sua carreira, Murakami foi sempre influenciado pela cultura Ocidental, nomeadamente a música e a literatura, marcas que se encontram refletidas nos títulos de que alguns dos seus livros.
É um dos escritores japoneses contemporâneos mais divulgados e premiados em todo o mundo. Caso raro nos dias que correm, o sucesso comercial das suas obras é acompanhado do aplauso da crítica, que o considera um dos “grandes romancistas vivos” (The Guardian) e a “mais peculiar e sedutora voz da ficção moderna” (Los Angeles Times).

Tiago Carvalho
 
Voltar