Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXVI

Rede de Escolas Associadas da Unesco À descoberta do Agrupamento de Escolas Severim de Faria

17-11-2022

O Agrupamento de Escolas Severim de Faria é um dos maiores e mais emblemáticos Agrupamentos de escolas da região Alentejo. Sedeado em Évora, é composto por 9 escolas, que se distribuem pela cidade e por duas freguesias rurais, contando, no total, com cerca de 1700 alunos, desde o Pré-escolar até ao 12.º ano.

Um dos aspetos marcantes e distintivos do Agrupamento decorre do facto de duas das suas escolas funcionarem em Antigos conventos, que, apesar das necessárias adaptações para o desenvolvimento das atividades letivas, mantêm os traços arquitetónicos e as estruturas base das anteriores funções. Uma dessas escolas foi, durante séculos, concretamente desde 1458, a casa das clarissas, uma das mais emblemáticas instituições conventuais da cidade de Évora, onde funciona, hoje, a escola EB de Santa Clara, que conta com quase 500 alunos. Também uma outra casa conventual dos séculos idos, a de Santa Mónica, é atualmente uma escola, concretamente, a Eb1 de S. Mamede, a qual foi objeto, há não muito tempo, de escavações arqueológicas que foram desvendando estruturas e objetos dos quotidianos de outrora.

Esta presença das escolas nos antigos espaços conventuais constitui-se como uma oportunidade pelas potencialidades que tem sob o ponto de vista educativo, tendo dado origem a múltiplos projetos, atividades e mesmo ao repensar os espaços escolares, numa lógica de preservação da memória histórica. Foi com esse enquadramento e com o forte envolvimento dos alunos, que nasceu, por exemplo, o Jardim das Clarissas que é, hoje, um dos “espaços-de-estar” preferidos dos alunos da Eb de Santa Clara. Algo de semelhante se verificou na escola de S. Mamede cujas intervenções pedagógicas foram, também neste caso, enquadradas e potenciadas pelo apoio da câmara municipal, que fez, aliás, um trabalho notável ao nível da requalificação dos espaços e no tratamento e disponibilização pedagógico-didática do espólio arqueológico.

A sua localização no interior do centro histórico permite uma relação muito especial destas escolas e dos seus alunos com a cidade, as suas dinâmicas e as suas vivências. Algo sempre importante, mas que, no caso de Évora, é favorecida pelo facto se se tratar de uma cidade classificada, pela Unesco, como Património da Humanidade, desde 1986. Diga-se, que as escolas do Agrupamento Severim de Faria são, hoje, as únicas que subsistem no interior do centro histórico, contribuindo para rejuvenescer e redinamizar a velha urbe. Para os nossos alunos, a cidade constitui-se como um “laboratório” para o estudo da História, do património edificado, museológico, artístico e muitos outros temas, que os nossos docentes aproveitam para dinamizar aulas e/ ou atividades exploratórias. Mas a relação com a cidade é mais profunda, traduzindo-se na colaboração com múltiplas instituições e entidades urbanas, que vão envolvendo os nossos alunos e solicitando, não raras vezes, os seus contributos para a tentativa de resolução dos desafios que se colocam à cidade, nomeadamente ao nível da sustentabilidade ambiental, da redução de resíduos, da limpeza e preservação dos cursos de água, da ampliação de espaços pedonais ou da promoção da mobilidade urbana sustentável.

O Agrupamento Severim de Faria e as suas escolas constituem, pois, um exemplo vivo e ativo da relevância que a relação Escola/comunidade assume sob o ponto de vista formativo, numa lógica em que os objetivos mais estritamente educacionais se cruzam com a promoção de uma cidadania ativa.

Rede de Escolas Associadas da Unesco
Voltar