Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXIII

UNESCO Covilhã entrega candidatura 08-07-2021

A candidatura da Covilhã ao estatuto de Cidade Criativa da UNESCO em Design foi entregue a 15 de junho, culminando três anos de um trabalho de preparação que contou com o forte contributo da Universidade da Beira Interior (UBI).

A autarquia, em particular a vereadora Regina Gouveia e a equipa de Projeto da C3D UNESCO, manifesta “fortes expectativas” quanto à candidatura e agradece o contributo de todos os que ajudaram na criação de parcerias, na definição do Plano de Ação e na depuração do dossiê de candidatura.

“Sendo certo que a viagem não chegou ainda ao destino, seguimos com ânimo redobrado”, referiu o Diretor Executivo da C3D UNESCO, Francisco Paiva, docente da Faculdade de Artes e Letras da UBI.

Além de Francisco Paiva, a estrutura conta ainda com outros académicos responsáveis pelo mapeamento e curadoria de seis sectores: José Manuel Andrade Nunes Vicente (Design, Indústria e Artesanato), Luísa Rita Brites Sanches Salvado (Design, Têxtil e Moda), Ana Mónica Romãozinho (Design, Cidade e Território), Luís Nogueira (Design, Cultura e Artes), Joana Ferreira (Design e Serviços Digitais) e Catarina Moura (Educação para o Design e Cidadania).

Sónia Martins de Sá é a responsável pela assessoria de Comunicação. O Conselho Estratégico da Candidatura é presidido por Rui Miguel, docente do Departamento de Ciência e Tecnologia Têxteis.

Enquanto Cidade Criativa em Design, a autarquia refere que se pretende fomentar a colocação da cultura e da criatividade como valores ecossistémicos fundamentais para o desenvolvimento da Cidade e da Região, além de regenerar o património e valorizar os produtos endógenos, especialmente os ligados aos têxteis, mas estendendo o design a outros campos criativos.

Visa ainda estabelecer uma “cultura de design” eficaz e intersectorial, que mude e reaja de forma holística às adversidades, como as alterações climáticas e demográficas, promovendo um ecossistema mais resiliente, inclusivo e sustentável, com rotinas de cocriação entre entidades locais e estrangeiras, especialmente com a Rede de Cidades Criativas e o Sul Global, a comunidade local e a diáspora. Finalmente, pretende alimentar os equipamentos existentes e o novo centro criativo na promoção da cultura contemporânea, da literacia digital e da educação através do design.

 
Voltar