Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXIII

Estão inscritos 47 formandos Politécnico de Setúbal reconverte profissionais na área das TIC 12-02-2021

O Instituto Politécnico de Setúbal (IPS), no âmbito do programa UpSkill de que é parceira, está a reconverter profissionais para a área das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) como resposta à crescente procura de talento digital por parte das empresas e contributo para o aumento da competitividade do País.

No total em Setúbal estão inscritos 47 formandos oriundos de vários territórios do sul do País (Lisboa, Setúbal, Faro e Évora), com uma média de idades de 32 anos e níveis de habilitações académicas que vão desde o 12º ano (mínimo exigido) até ao doutoramento.

Em nota enviada ao Ensino Magazine, o Politécnico de Setúbal explica que a "formação têm uma duração estimada de seis meses em ambiente letivo, abarcam a programação, designadamente em Java e .Net, e as plataformas de desenvolvimento low code, como é o caso da Outsystems, sendo assegurados no IPS por docentes das escolas superiores de Ciências Empresariais (ESCE/IPS) e de Tecnologia de Setúbal (ESTSetúbal/IPS). Seguem-se três meses de estágio nas empresas aderentes ao programa, estando prevista a contratação de, pelo menos, 80 por cento dos novos recursos humanos qualificados, mediante uma remuneração mínima de 1200 euros mensais".

Citado na mesma informação, Carlos Mata, vice-presidente com o pelouro da Empregabilidade e Relacionamento com as Empresas e Organizações, classifica o programa UpSkill como uma “iniciativa nacional de relevo” nesta área, à qual o IPS não poderia deixar de aderir.

Carlos Mata lembra, na mesma nota, que o IPS, "enquanto promotor da formação ao longo da vida, proporciona oportunidades de qualificação em idade adulta que visam o desenvolvimento de novas competências, a evolução profissional, a descoberta de outros rumos ou até mesmo a realização de projetos de vida que ficaram suspensos”.

Diz o vice-presidente do IPS que "ser pólo de formação neste contexto e servindo a área geográfica onde se concentra a maioria das empresas do setor TIC, significa também estarmos a cumprir uma das grandes missões do Politécnico, a criação de cursos que respondam às necessidades da região e das organizações dos territórios”.

Carlos Mata lembra que um exemplo nessa aposta é o novo mestrado em Logística e Gestão da Cadeia de Abastecimento, uma formação de natureza profissionalizante criada em parceria com a SONAE MC.

O programa nacional, que estima formar 3 000 pessoas em três anos, resulta de uma parceria entre a Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações (APDC), o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) e o Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP), e dirige-se a quem está em situação de desemprego ou queira tentar um novo rumo profissional numa área de grande carência de recursos humanos para a generalidade das empresas em processo de  transformação digital.

Atualmente a formação está a decorrer em vários politécnicos a nível nacional (Braga, Castelo Branco, Guarda, Santarém/Leiria, Porto e Viseu), sendo que a Área Metropolitana de Lisboa, onde se concentra o maior número de formandos, é assegurada pelo IPS e também pelo ISCTE.

 

 

IPS
 
Voltar