Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXIII

Gente & livros Mo Yan 12-07-2021

Prémio Nobel da Literatura em 2012, Guan Moye, mais conhecido pelo pseudónimo Mo Yan, nasceu em 1955, na província de Shandong, China. É um dos mais famosos escritores chineses da atualidade.
Numa entrevista recente, Mo Yan explica que o seu pseudónimo, que significa “não fale”, é uma referência ao período revolucionário da década de 1950, quando os pais o aconselharam a não exprimir as suas opiniões em público.
De acordo com o próprio, terá sido influenciado por escritores como Gabriel Garcia Marquez e o seu realismo mágico, Kenzaburo Oe e William Faulkner.
Em 1981, Mo Yan publicou o primeiro romance, escrito quando era soldado, refere a sua biografia na Wook.
Em 1987, publicou “Sorgo Vermelho”, que viria a tornar-se um bestseller. No ano seguinte, a adaptação cinematográfica, por Zhang Yimou, ganhou o Urso de Ouro do Festival Internacional de Berlim.
Em 1996, lança “Peito Grande, Ancas Largas”. Este romance, que foi proibido na China, relata, de uma perspetiva feminina, quase um século da História do país. Devido ao teor sexual do texto, Mo Yan foi obrigado a escrever uma autocrítica ao seu próprio livro, tendo mais tarde sido obrigado a retirá-lo de circulação.
Em 2011, o autor chinês ganha o prémio Mao Dun, o mais importante galardão literário do país, sendo depois eleito vice-presidente da Associação dos Escritores da China.
Em 2012, recebeu o Prémio Nobel de Literatura, por uma obra “que com realismo alucinatório funde contos populares, história e contemporaneidade”.

Tiago Carvalho
Brasil 234
 
Voltar